Trending This Week:

ads

27 de dez de 2010

“Escrever e suas verdades”

Fonte da imagem


Escrever é como lutar Box, você não sabe quando começar e nem quando parar.
E você entende que quanto mais se dedica, mas perfeição tem nos golpes e no balé...
E você imagina tanta coisa. Projeta tantos sonhos, e eles são interrogações persistentes.
É quando toma jeito, incorpora a ginga, aprende a dar ouvido à seu potencial e ignora os estonteantes comentários.
Tudo fica tão claro, você está sujeito a vitórias e derrotas, e quase sempre tem a oportunidade de reavaliar o que fez de errado.
E você aprende que não há problemas maiores do que seus próprios medos.
E faz de suas árduas dificuldades uma razão maior para continuar. E debruça-se ao chão, esgotado. Não compreende porque está ali, se seus pensamentos não querem, mas seu corpo clama por um descanso.
E então chega a hora de por em prática todo o treinamento. E você lembra que apesar da demora, a oportunidade sempre vem. É quando sobe a escada, e ouvi os gritos em sua direção... uns lhe apóiam, mas a maioria quer que você saia machucado, tanto faz se seja por fora ou por dentro. É quando você percebe que a única voz verdadeira é aquela do início, de quando você era criança nesse “mundo”.
O grande prazer é certamente a vitória, mas não necessariamente vencer.
Você reconhece seus limites e aprende a dominá-los.
E você observa que não adianta pular degraus, há sempre uma lógica mais sutil para andar um por vez. Você o reconhece, o compreende. Ver a marca deixada por seus pés descalços.
E entende que tudo isso exige de você algo a mais, e lhe ensina a ser diferente, a teimar, a ousar, a ariscar.
O confronto é inevitável. O sorriso ou o choro lhe abraçará. E independente de qualquer um dos dois, você se certificará de que há sempre o que aprender e melhorar.  
A verdade é uma só, e três coisas estão em questão: talento, trabalho e oportunidade. Sem qualquer uma das três você nunca será quem realmente quer ser. Essa é a única certeza em evidencia, além de seus próprios sonhos e nada mais.


Crônica escrita por Antonielson Sousa

Disqus Shortname

Comments system